Notícias
  • Publicado em:27/04/2017

 

A lipoaspiração é a cirurgia plástica mais realizada, divulgada, pretendida e temida. Em uma época em que o tempo e espaço para a prática de esportes reduz a cada dia e a alimentação industrializada é a regra, a população mundial tem aumentado de peso. Com isso, mais pessoas passaram a cogitar a lipoaspiração como forma de perder as indesejáveis gorduras.

Porém, qual o tipo de lipoaspiração é a melhor indicada para o meu caso? Qual é mais arriscada? Qual apresenta melhor recuperação? Entre tantos tipos de lipoaspiração, fica difícil a compreensão das diferenças. O cirurgião plástico especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Dr. André Colaneri, explica abaixo cada uma delas.

“A lipoaspiração é uma cirurgia plástica e, portanto, deve ser realizada por cirurgião plástico – o especialista neste caso. Para se formar especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica leva 11 anos de estudos e treinamentos”, reforça o especialista.

 

Lipoaspiração tradicional: É realizada através da inserção de uma cânula simples, e que aspira a gordura com movimentos de vai e vem. A quebra da resistência da gordura é feita pela força dos movimentos do cirurgião. Assim como qualquer lipo, pode ser feita com anestesia local, peridural ou geral. O tipo da lipoaspiração tem relação ao tipo de cânula usada e não com o tipo de anestesia, nem porte da cirurgia.

Lipoescultura: É uma lipoaspiração na qual parte da gordura retirada é tratada, limpa, concentrada e enxertada em outra área do corpo, para dar contorno ou aumentar o volume. Muito comum os enxertos de gordura nos glúteos e na face. Não importa o tipo de cânula para a aspiração e sim a realização do enxerto.

Vibrolipoaspiração: É realizada com um aparelho com cânula vibratória. A vibração facilita a penetração na gordura, proporciona movimentos mais sutis e delicados e a retirada menos traumática da gordura.

Lipoaspiração a Laser: Antes de aspirar, uma cânula com laser na ponta é inserida para queimar a gordura. A gordura é liquefeita, facilitando a sua retirada. Por liberar calor, os pequenos vasos são cauterizados e o sangramento é menor, assim como a retração da pele é maior que na lipo tradicional. É bem indicada para pacientes que apresentam leve flacidez de pele e nos casos em que já foi feita outra lipo prévia, para quebrar a fibrose existente. Como o laser destrói as células, não é indicada para fazer lipoescultura. Depois de usar o laser, a gordura liquefeita precisa ser retirada por outra cânula, podendo ser a tradicional ou a da vibrolipoaspiração.

Lipoaspiração Ultrassônica: É semelhante à lipo a laser, mas a cânula usada para liquefazer a gordura emite ultrassom. Por ser maior na ponta, liquefaz a gordura mais rapidamente que o laser. Também, pelo aquecimento da gordura, leva à um menor sangramento, maior facilidade de retirar a gordura, menor trauma e maior retração da pele. Tem a vantagem sobre o laser de poder usar a gordura para enxertar, pois não destróis as células, apesar de facilitar a sua retirada. É bem indicada para lipos de grandes volumes, leve flacidez de pele ou para pacientes que já tenham realizado uma lipo antes.

Mini-lipo, Lipo-Light, Lipo Tumescente: São nomes não técnicos para descrever uma lipoaspiração com anestesia local. Na verdade, é apenas marketing. Divulgam lipoaspirações de pequeno porte, para a retirada de pequenos volumes, em várias sessões, realizadas muitas vezes em ambiente não hospitalar e por médicos não especialistas. Precisa-se ter muito cuidado com elas. Fazer várias sessões de lipoaspiração pode não ser mais seguro que fazer apenas uma única maior. O risco de infecção, trombose e outras complicações se multiplicam pelo numero de sessões realizadas. A chance de irregularidades e assimetrias também aumenta, quando se trata uma região em várias sessões. São bem indicadas apenas nos casos de pouca gordura em que se consegue resolver em uma única sessão. Mesmo assim, deve ser feita em ambiente hospitalar, com especialista.

Lipo de Alta Definição: Outro nome de marketing. Descreve a lipoaspiração em que se pretende esculpir a forma da gordura como se fosse uma musculatura definida. Cuidado com as expectativas… Gordura é gordura e nunca será um músculo. É mole, não contrai, aumenta quando engorda. Nunca será como um abdômen magro e com musculatura definida. Caso realizada e o paciente engordar, as áreas menos lipoaspiradas aumentarão mais do que as lipoaspiradas e poderá haver uma maior irregularidade e assimetria.