Notícias
  • Publicado em:13/11/2018

Especialmente depois de uma abdominoplastia ou lipoaspiração, recomenda-se algumas sessões de drenagem linfática durante o pós-operatório. E não é à toa! Depois de uma cirurgia plástica existe uma passagem maior de líquidos por meio dos vasos sanguíneos que podem resultar em inchaços. A massagem, então, auxilia na eliminação das toxinas no organismo, aliviando a sensação de inchaço e acelerando o processo de cicatrização.

Assim como as cirurgias plásticas na região do abdômen e quadris, a ginecomastia, a mamoplastia, a implantação de próteses de silicone, a blefaroplastia e o lifiting também requerem a realização da drenagem linfática.

Como é feita a massagem
A drenagem linfática deve ser feita de maneira suave, sem imposição de força para não comprometer os vasos linfáticos, nem prejudicar o período de recuperação natural da pele durante o pós-operatório.

A importância da drenagem linfática
Engana-se quem pensa que essa massagem ajuda a emagrecer. Uma vez que ela não elimina gordura, mas sim água, sua principal missão é diminuir medidas ao liberar os pontos de inchaço causados pelo líquido acumulado. Com a ideia de melhorar o aspecto da pele e eliminar o desconforto causado pela água acumulada, ela deve ser realizada manualmente, somente onde é necessária.

No caso do pós-operatório, a drenagem linfática estimula a circulação por causa dos movimentos específicos na região operada e ainda regenera os tecidos, eliminando edemas que podem aparecer após a operação.

Portanto, se estiver prestes a passar por uma cirurgia plástica, converse com seu médico sobre a implementação da drenagem linfática no seu pós-operatório, quantas sessões serão necessárias e quais áreas ela deve trabalhar. Afinal, isso varia de caso a caso.

Fonte: Horaios