Notícias
  • Publicado em:18/08/2015

Fazer uma cirurgia plástica hoje é muito mais seguro do que foi décadas atrás. Os equipamentos são mais modernos, a anestesia oferece um risco menor de causar complicações, os médicos são mais bem preparados para qualquer eventualidade. Ainda assim, existem alguns cuidados que devem ser tomados.

1. Manter a saúde em dia 

Antes de encarar a mesa de cirurgia, você precisa passar com boas notas nos exames pedidos pelo médico e manter sob controle as doenças crônicas, como diabetes e hipertensão. Fumantes também demandam cuidados. A nicotina prejudica a circulação de sangue nos tecidos, favorecendo a má cicatrização. É preciso deixar de fumar pelo menos três meses antes e dois meses depois da cirurgia. 

2. Redobrar a atenção com os remédios 

Saber como os medicamentos de uso frequente interferem na cirurgia é fundamental. "Existem fitoterápicos, como ginkgo biloba, cáscara sagrada e pílulas de alho, que podem aumentar o sangramento e trazer riscos para a paciente. Como não precisam de receita médica para a compra, esses produtos passam a falsa ideia de que são inofensivos.

Outro grupo importante é o das fórmulas de emagrecimento. A obesidade é um fator de risco para a cirurgia. Por isso, muita gente opta pelo uso desse tipo de medicamento para perder peso rápido e se adequar às normas de segurança pré-operatórias. Ainda na lista de comprimidos a serem evitados estão a aspirina, o AAS e alguns anti-inflamatórios, que alteram a coagulação do sangue. Já a isotretinoína, substância derivada da vitamina A e usada no tratamento da acne, pode mudar a síntese de colágeno na pele e, por isso, também atrapalha a cicatrização.

Por fim, há os anticoncepcionais. "O problema das pílulas e da reposição hormonal é o aumento da possibilidade de trombose. Mesmo assim, na maioria dos casos, não se deve suspender o uso porque existem medidas eficazes para prevenir o problema, como o uso de anticoagulantes, meias elásticas e massageadores para as pernas.

3. Respeitar o pós-operatório 

Seguir as orientações médicas depois da cirurgia é parte importante do processo. Parece óbvio, mas há muita gente que não faz a lição de casa direitinho. As recomendações sobre repouso, atividade física, exposição ao sol, direção de veículos, alimentação e uso da medicação e de cintas cirúrgicas também são critérios de segurança. Deixar de colocar em prática o que prescreve o médico pode abrir espaço para o surgimento de infecções, manchas, aderências, fibroses e problemas de cicatrização, o que, obviamente, vai interferir no resultado do procedimento.

Fonte: Boa Forma