Notícias
  • Publicado em:14/07/2016

A cirurgia plástica está indicada quando existem alterações com perda de estética ou função da região acometida pelas queimaduras. Usualmente, isso ocorre em queimaduras de segundo grau profundo ou terceiro grau. O acometimento funcional pode estar prejudicado, por exemplo quando a queimadura ocorre em áreas de dobras no corpo (pescoço, cotovelos, axilas) e ocorrem aderências que dificultam a movimentação do local. A parte puramente estética pode variar muito, desde mudanças na cor da pele, até perda de partes moles/tecido.

O tratamento é feito na profundidade e extensão da queimadura. Os casos mais simples podem ser tratados apenas com troca de curativos e pomadas. Casos mais graves podem necessitar de cirurgias com enxertos (usa-se fatias finas de pele saudável do paciente que são transferidas para a área acometida) ou retalhos (transferência de pele e tecido irrigado por artérias para a área acometida). Existem dezenas de técnicas que devem ser particularizadas para cada caso de queimadura.

Queimaduras de segundo grau

No caso de queimaduras de segundo grau, deve-se sempre esperar uma melhora moderada, mas dificilmente haverá um resultado perfeito como se não tivesse ocorrido a queimadura. Sempre ficarão cicatrizes e poderão ter diferentes tons de cor e volume na área reparada por cirurgia. Mesmo assim, o tratamento deve ser encorajado e seu seguimento realizado com frequência pelo médico de escolha.

Queimaduras de terceiro grau

Nesses casos, a pele é mais prejudicada, por isso até os dias de hoje, ainda não temos um tratamento que não deixe vestígios de cirurgia para as queimaduras de terceiro grau. Trata-se de uma amenização para a sequela e não um tratamento perfeito.

Fonte: Minha Vida